Blog

Espaço para você acessar nossas novidades e notícias relevantes para o setor

ESG e sustentabilidade

ESG: Uma tendência para 2021

27/01/2021

Confira uma das principais tendências para o mercado em 2021, ESG: Environmental Social and Governance para empresas. Saiba do que se trata, sua importância e como começar a implementar na sua empresa.

Afinal, o que é ESG?

Trata-se de uma métrica super importante para o mercado, que mede o equilíbrio entre os aspectos ambientais, sociais e de governança na gestão das empresas. Para muitas empresas grandes se trata de uma demanda que vem do próprio mercado, em que uma nova área precisa surgir para reforçar estes processos, que muitas vezes estão presentes, mas ainda precisam ser mapeados, organizados e mensurados.

Para se estruturar uma área é necessário estudo e levantamento, colhendo diversos dados e elaborando métricas. Afinal, o que não se mede não pode se controlar.

Indicadores Globais: GRI, ODS e Pacto Global

Felizmente, não é preciso criar estes indicadores totalmente do zero, pois já existem indicadores utilizados internacionalmente e que se encontram na maior parte dos relatórios de sustentabilidade das empresas. As principais referências são o GRI, ODS e o Pacto Global:

  • GRI (Global Reporting Initiative): Trata-se de uma organização mundial que visa padronizar normas e itens, apontando o que uma empresa deve reportar para ser sustentável
  • ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável): Fomentado pela ONU, são 17 indicadores globais para o desenvolvimento sustentável, visando serem cumpridos até 2030 pelos países que se comprometeram com a Agenda 2030. Seguem os 17 indicadores abaixo:
ODS
ODS: 17 indicadores globais para o desenvolvimento sustentável
  • Pacto Global: Trata-se de uma chamada também fomentada pela ONU para direcionar as empresas a cumprir objetivos globais, conversando diretamente com os ODS.

ESG na construção civil

Para o ESG se tornar uma realidade na construção civil é preciso levar em consideração tanto as políticas da empresa quanto os projetos e canteiros. Assim, uma pesquisa abrangente e completa, integrando interesses dos stakeholders com os interesses da própria empresa, é necessária para um bom relatório de sustentabilidade. Caso essa relação não seja feita com o devido cuidado, o relatório passa a ser incoerente com as ações da empresa, não sendo utilizado com frequência e se tornando obsoleto rapidamente.

Como começar?

Primeiramente, uma área bem estruturada de ESG não nasce do dia para a noite, sendo que esta irá trazer resultados tangíveis em médio a longo prazo. Como as métricas do ESG atuam com a cultura empresarial, transformar esta cultura é algo que leva um certo tempo.

Como cada empresa é única e possui formas de atuação muito distintas, é necessário avaliar o que é relevante tanto para os Stakeholders como para a empresa em si, considerando o que é mais importante para ambos.

Por fim, pode ser necessário recorrer a uma consultoria de confiança para iniciar esta jornada e construir uma sustentabilidade que faça sentido dentro da missão, visão e valores da empresa.

Letícia Hein Hsiao

Comunicação e Marketing na Inovatech Engenharia