Blog

Espaço para você acessar nossas novidades e notícias relevantes para o setor

Normas de Desempenho

Quais as nossas evoluções em mais de cinco anos da Norma de Desempenho?

17/01/2019

Em vigor desde meados de 2013, a NBR 15.575 ainda é sinônimo de dúvidas para muitos profissionais. Descubra como estamos encarando o desafio de trazer a norma para o dia a dia de cada empresa.

Apontar problemas é fácil e muita gente ainda faz isso, mas o que nos interessa é ir além da norma para atender com eficiência as demandas reais dos nossos clientes. Desde meados de 2013, todo empreendimento residencial no país precisa atender à NBR 15.575, mais conhecida como Norma de Desempenho. Ela estabelece uma série de exigências mínimas e critérios relacionados a segurança, desempenho, qualidade e durabilidade em vários aspectos dos sistemas construtivos.

A norma já rendeu inúmeras discussões, críticas, sugestões de ajustes, cursos e mais cursos mercado afora. E, mesmo assim, as dúvidas são muitas e a maioria das empresas ainda tem dificuldades para lidar com tantos requisitos. Nossa experiência em mais de 150 projetos assessorados nos trouxe lições importantes e uma visão bem particular de como encarar as exigências da Norma de Desempenho, transformando desafios em chance para aprimorar processos internos e até se diferenciar no mercado.

Ao longo desse período de vigor da norma, prestamos consultoria a diversos clientes, especialmente para auxiliá-los nas questões da norma referentes a desempenho térmico e desempenho lumínico de seus projetos, mas também para ajudá-los a aprimorar a gestão dos critérios trazidos pela Norma de Desempenho.

Ao impor ao mercado um nível mínimo de desempenho lumínico, por exemplo, a nova regra obriga o empreendedor a garantir um grau mínimo de luminosidade natural a todas as unidades habitacionais de seus projetos. Como fazer isso é questão a ser pensada caso a caso: pode ser aumentando as dimensões das esquadrias nas paredes externas, alterando a posição do prédio no terreno, escolhendo acabamentos de cores mais claras ou até reformulando o projeto paisagístico para evitar sombreamento excessivo em determinadas fachadas, por exemplo.

Não importa. O que interessa, de verdade, é que o resultado obtido com essas escolhas seja viável economicamente, exequível e fique dentro do que pede a norma, para dar segurança ao empreendedor – e, na outra ponta, uma habitação mais saudável e segura para o usuário.

Do laboratório à “vida real”

Da mesma forma, seria inútil contestar algum método exigido pela norma sem apresentar ou ir em busca de uma saída que resolva o problema, de fato. Em nossos estudos, percebemos que alguns parâmetros definidos pela Norma de Desempenho são ainda muito baseados em protótipos de laboratórios e não em ‘edifícios reais’.

Na prática, é preciso trazer a norma para o cotidiano do mercado e, mais ainda, de cada empresa, e superar as questões técnicas com metodologias mais precisas, que podem ser até superiores às exigidas pela norma. É exatamente isso que temos feito, apostando em tecnologias de última geração para as nossas simulações computacionais e medições in loco, por exemplo. Na nossa visão, as soluções para nossos clientes não podem ser baseadas somente em estudos acadêmicos, e sim na combinação do conhecimento acadêmico com as práticas de mercado.

Os softwares que usamos garantem resultados 40% mais precisos do que a média do mercado, com margens de erro bem menores, gerando economia para nossos clientes, e com a vantagem da retroalimentação, que permite aprimoramentos constantes e também para os futuros projetos.

Além das questões técnicas, tem a parte da gestão de processos de cada projeto concebido para atender à Norma de Desempenho. Nossa experiência nos mostra que planilhas gigantescas de Excel não garantem sucesso. E, para oferecer uma alternativa, temos investido em ferramentas colaborativas que permitam que as decisões sejam tomadas nos momentos ideais do projeto e compartilhando a responsabilidade com toda a equipe. Na nossa opinião, o atendimento à norma não é responsabilidade da área de projetos das incorporadoras, mas sim uma corresponsabilidade de todos os envolvidos, inclusive do comprador das unidades habitacionais.

Mais do que fazer cursos gastando tempo em leituras interpretativas de cada item da norma técnica – que, no fim, terão pouco ou nenhum efeito prático na empresa – é fundamental conciliar a norma com a cultura empresarial de cada corporação, reformulando a maneira de gerir os projetos sempre que necessário e ganhando, assim, mais capacidade não apenas de atender à Norma como também de, ao longo do tempo, se diferenciar num mercado que está cada vez mais competitivo.

É nisso que apostamos. E é para isso que estamos sempre prontos a inovar. Conte com a gente!
Clique aqui para saber mais sobre nossa consultoria para Norma de Desempenho.

Para conhecer alguns dos projetos que receberam nossa consultoria, visite nossa página de Cases: https://inovatechengenharia.com.br/cases.