Blog

Espaço para você acessar nossas novidades e notícias relevantes para o setor

BIM – Economias que geram sustentabilidade

02/04/2020

Toda vez que uma interferência aparece na obra, a dor de cabeça é inevitável. O problema vai exigir retrabalho, custo extra e cronograma saindo da rota. Estudos acadêmicos mostram que cada interferência detectada em projeto representa, em média, uma economia na obra de R$ 1500 por unidade habitacional.

Assim, um único problema de compatibilização de hidráulica com estrutura, por exemplo, em um edifício com 80 unidades habitacionais, pode significar uma despesa adicional de R$ 120 mil. Essa estimativa inclui custos diretos, indiretos e custos de capital decorrentes do atraso da obra.

Pensando nisso, a ferramenta BIM é excelente aliada. Ela permite a modelagem virtual do empreendimento em 3D, ao reunir informações das mais diferentes camadas do projeto. E ainda permite compatibilizar, por exemplo, o atendimento à Norma de Desempenho e certificações de sustentabilidade.

Na prática, essa característica do BIM possibilita a compatibilização do projeto em tempo real. Isso acontece porque, a cada alteração feita no projeto, o software faz uma varredura de verificação de interferências. Se algo precisar ser ajustado, isso será mostrado na última atualização do projeto.

Vantagens da detecção de clashes

Foi-se o tempo em que os benefícios do uso do BIM no projeto para reduzir interferências ficavam apenas no campo das potencialidades. Já existem estudos indicando os efeitos reais da ferramenta na redução das interferências ainda no projeto.

Uma pesquisa feita pela McGraw Hill Construction em 2014, por exemplo, ouviu contratantes nos maiores mercados da construção (incluindo o Brasil) sobre os resultados obtidos com a utilização do BIM em projeto. Na lista estão os seguintes benefícios:

  • Melhor compreensão geral do projeto;
  • Mais precisão na previsão de custos;
  • Projetos mais eficientes, graças às análises e simulações que reduzem problemas de coordenação e erros ou omissões na construção;
  • Redução significativa de retrabalho;
  • Redução de até 30% do tempo real do projeto (com mais produtividade e cronograma com menos “surpresas”);
  • Mais de 90% de precisão na execução dos processos (pensando em custos, qualidade e cronograma).

 

Sucesso do BIM depende de adequação às necessidades de cada empresa

Segundo Willian Konishi, sócio e responsável pela área de Gestão de Processos e Plataformas Digitais na Inovatech, é muito comum ouvir que o BIM reduz custos, retrabalhos e prazos. As empresas perguntam muito sobre quanto conseguem reduzir o custo ou o prazo. “Para este tipo de pergunta, costumamos dar uma resposta padrão: depende”, conta. A seguir, Konishi explica os detalhes:

1- Quais são as necessidades da empresa?

Primeiramente, esta é a pergunta a ser respondida, para que se possa determinar os ganhos que a empresa terá com o BIM. Por exemplo:

  • Reduzir as incompatibilidades na obra;
  • Reduzir o custo com o levantamento de quantitativos;
  • Ter um quantitativo mais assertivo;
  • Mitigar o risco de não atendimento às legislações e normas;
  • Possibilitar a rastreabilidade das informações.

 

2- Qual será a forma de modelagem?

Após definida as prioridades da empresa, devemos determinar a forma de modelagem, que varia de acordo com as necessidades do cliente. Por exemplo: em muitas construtoras, precisamos modelar os vãos das esquadrias para a realização de um orçamento adequado das alvenarias e, caso isso não seja realizado, teremos um orçamento impreciso e correremos o risco de o BIM ser julgado como impreciso ou insuficiente para as necessidades.

 

3- Como estão os processos já existentes na empresa?

Os resultados que as empresas podem obter com a ferramenta BIM dependerão muito dos processos já existentes na empresa. Vejamos, então, dois cenários, como exemplo:

  • Caso uma empresa A tenha os orçamentos com um desvio muito maior do que o planejado, o BIM poderá levar grandes ganhos no aumento da precisão do orçamento.
  • Caso uma empresa B tenha os procedimentos de orçamentação bem refinados e um grau de precisão muito alto, não iremos contribuir tanto na redução dos desvios. Entretanto, podemos focar no ganho de tempo da equipe de orçamentos, por exemplo.

 

Assim, as vantagens do BIM tendem, em certa maneira, a serem personalizadas também, de acordo com o perfil de cada empresa. Quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato com a gente!

 

Aumento de eficiência de projetos gerar recursos para qualificação de projetos

Segundo Luiz Henrique Ferreira, fundador da Inovatech Engenharia, em pouco tempo o mercado começará a utilizar ganhos de processos para tornar os projetos mais sustentáveis e eficientes: “Uma economia de R$ 120mil em interferências de hidráulica, por exemplo, pode pagar tranquilamente a instalação de um sistema de reuso de águas cinzas, revertendo a economia gerada pelo projeto em benefícios para o meio ambiente, sem prejudicar a viabilidade do empreendimento”.