Retrofit do Sofitel Copacabana conquista AQUA-HQE

Com consultoria da Inovatech, retrofit do hotel da rede AccorInvest, no Rio de Janeiro, recebe a certificação de construção sustentável e torna-se o primeiro com bandeira de luxo Fairmont na América do Sul


Hotel

Certificações

Certificação

Fechado para reforma desde maio de 2017, o tradicional hotel Sofitel Copacabana foi totalmente reformulado para se tornar ainda mais icônico na cidade do Rio de Janeiro. O que mais se divulga sobre o projeto – além dos R$ 250 milhões que a rede AccorInvest está investindo na operação – é a mudança de bandeira do hotel que, finalizada as obras, passou a ser o primeiro da categoria de luxo Fairmont da América do Sul.

O que pouca gente sabe, no entanto, é que além das qualidades de um cinco estrelas, o recém-reinaugurado Fairmont Copacabana tem uma série de diferenciais de sustentabilidade que rendeu à marca a certificação AQUA-HQE de construção sustentável, nas fases de Pré-Projeto, Projeto e Execução.

A Inovatech, contratada como consultoria para a certificação de sustentabilidade, elaborou recomendações de projeto para que o retrofit pudesse privilegiar ecoeficiência, redução de impactos ambientais e de custos de operação e, ainda, oferecer mais conforto para os usuários.

Fachada do Sofitel Copacabana, que conquistou a certificação AQUA-HQE

Complexidade e muito trabalho em equipe

Para Guilherme Loos, sócio da Inovatech responsável pela condução do processo de certificação AQUA-HQE, o empreendimento foi muito desafiador. “Foi um projeto com grande complexidade, dada pelo alto padrão e nível de exigência do público do edifício, além das grandes dimensões do empreendimento, que conta com 375 quartos e que teve, em certo momento da obra, cerca de 800 colaboradores atuando.

 Segundo Loos, esses fatores exigiram um grande trabalho de gestão ambiental em conjunto com a AccorInvest e a construtora Afonso França.

Diferenciais de sustentabilidade

Todos os 375 quartos foram inteiramente renovados para oferecer mais acesso às vistas e iluminação natural. A infraestrutura de lazer também foi melhorada e ampliada. Entre as novidades de sustentabilidade podemos destacar:

– O sistema de automação permite o monitoramento em tempo real dos consumos de água e energia, e detecção de desperdícios e falhas;

– O calor gerado pelo sistema de ar-condicionado é reaproveitado no aquecimento de água;

Esquadrias insuladas instaladas nos quartos reduzem a entrada de calor, melhorando o conforto térmico dos usuários e reduzindo o consumo de energia do ar-condicionado;

– Um projeto de acústica foi elaborado para garantir maior conforto acústico;

Dispositivos economizadores de água e a escolha por espécies bem adaptadas nas áreas verdes (que exigem menos irrigação) possibilitarão uma economia de água estimada em 23%, em relação ao consumo usado como referência pela certificação;

– A melhoria da envoltória do edifício (vidros térmicos), a instalação de lâmpadas de LED e de um sistema de ar-condicionado eficientes permitirão uma economia de energia de mais de 34%, em relação ao consumo de referência da certificação.

Vista para o mar de Copacabana, no Rio de Janeiro, a partir de um quarto do hotel Fairmont Copacabana

Mínimo impacto ambiental

Uma das premissas seguidas pela AccorInvest no retrofit foi utilizar materiais que minimizassem os impactos ambientais e garantissem a qualidade da construção. Para isso, a seleção dos materiais e dos fornecedores levou em consideração critérios como:

  • Adaptabilidade;
  • Desmontabilidade;
  • Qualidade e desempenho;
  • Facilidade de conservação e limpeza;
  • Menos impactos ambientais e à saúde humana;
  • Uso de madeira de procedência conhecida;
  • Formalidade dos fornecedores.

Em relação aos resíduos gerados na operação do hotel, foi realizado um estudo para identificar a quantidade e os tipos de resíduos produzidos. O objetivo foi melhorar o fluxo de operação desses materiais. O hotel tem locais para realizar a triagem e coleta seletiva dos resíduos na cozinha central e na governança de cada andar com apartamentos, além de um depósito final, localizado no terceiro subsolo.

Canteiro sustentável

Além das preocupações com sustentabilidade no projeto, durante as obras, uma série de medidas foram tomadas com o objetivo de minimizar os impactos ambientais gerados no canteiro de obras, seguindo as recomendações de sustentabilidade do AQUA-HQE, tais como:

– Manutenção da limpeza nos acessos e no entorno;

– Segregação dos resíduos de construção e destinação de mais de 95% para locais de reciclagem ou reaproveitamento;

– Logística reversa de cerca de 5000 embalagens de papelão, para produção de novas embalagens;

– Cuidados para evitar contaminação da água e do solo;

– Uso de tintas à base d’água (menos prejudiciais ao meio ambiente à saúde dos funcionários);

– Monitoramento mensal de consumo de água e energia;

– Monitoramento dos ruídos através de medições periódicas;

– Preocupação em manter um canal de comunicação aberto e transparente com à vizinhança;

– Monitoramento da poluição do ar, através de medições de fumaça dos caminhões e maquinários;

– Dedetização e inspeção visual periódicas, a fim de evitar proliferação de doenças causadas por insetos;

As obras de retrofit foram concluídas recentemente e a reinauguração do hotel aconteceu em agosto de 2019.

 

 

 


< Voltar para CASES