Polícia Ambiental do Guarujá

Projeto para o 3º Batalhão do município, que abrigará os escritórios administrativos e o centro de treinamento com alojamentos recebeu ajuda da Inovatech e conquistou a certificação AQUA nas fases Pré-Projeto e Projeto


Corporativo

Certificações

Economia de energia

Na cidade de Guarujá, litoral paulista, o 3º Batalhão da Polícia Ambiental optou pelo processo AQUA para comprovar a alta qualidade ambiental do projeto que deverá abrigar os novos escritórios administrativos e o centro de treinamento com alojamentos, além do Centro Técnico Regional de Fiscalização (CTRF) e a Fundação Florestal.

Assinado pelo arquiteto Rodrigo Mindlin Loeb, o novo projeto contou com o auxílio da Inovatech na adequação às premissas da certificação AQUA, já conquistada em 2013 nas fases Pré-Projeto e Projeto.

A novidade foi possível graças à Fundação para Conservação e Produção Florestal do Estado de São Paulo, por meio do Programa “Recuperação Socioambiental da Serra do Mar e Mosaicos da Mata Atlântica”.

O projeto foi proposto para um terreno localizado na cidade, com quase 13 mil m² e área construída de 6.684 m². A arquitetura, segundo Rodrigo Mindlin Loeb, promove práticas sustentáveis, instigando o usuário a rever e adaptar suas condutas.

Um “U” invertido forma um grandioso pórtico e marca toda a cobertura do edifício, pensado para se transformar em um marco na paisagem próxima ao canal e à balsa de ligação com a cidade de Santos. Graças a esse elemento, há uma maior proteção dos volumes à radiação direta, às chuvas, aos ventos e à maresia. A fachada ainda combina ao elemento um misto de blocos coloridos e translúcidos desalinhados, que formam um conjunto interessante entre os edifícios independentes e articulados que compõem o projeto, o que possibilita mais flexibilidade para futuras ampliações ou setorização dos espaços.

As soluções propostas destacam-se pela arquitetura bioclimática e o compromisso com a construção sustentável. Algumas das medidas previstas são as seguintes:

•  Sistema de reaproveitamento da água da chuva;
•  Sistemas economizadores de água potável que reduzem 36% da necessidade;
•  Sistema de aquecimento solar;
•  Lâmpadas econômicas (LEDs e Fluorescentes);
•  Sombreamento eficiente do edifício para minimizar a necessidade de resfriamento artificial;
•  Materiais reciclados e recicláveis nos revestimentos;
•  Iluminação e ventilação natural em todos os ambientes;
•  Forros acústicos para melhorar o desempenho acústico;
•  Paisagismo com espécies adaptadas ao local.


< Voltar para CASES