Blog

Espaço para você acessar nossas novidades e notícias relevantes para o setor

Vinicius Battistini participa do IBPSA 2019 em Roma

IBPSA Building Simulation 2019: o que vimos de mais bacana no evento em Roma

03/09/2019

Estamos na capital italiana esta semana, acompanhando tudo que acontece na 16ª edição do Congresso da Associação Internacional de Simulação de Desempenho de Edifícios (IBPSA). Neste post, pontuamos os principais destaques do evento

 

Por Vinicius Olmos Battistini*

Essa semana estou participando do Congresso do IBPSA (sigla para International Building Performance Simulation Association), que acontece em Roma, na Itália, entre os dias 2 e 4 de setembro. Os congressos do IBPSA acontecem a cada dois anos e têm como objetivo ser um ponto de encontro para consultores, pesquisadores e acadêmicos que trabalham com simulações computacionais em edificações.

A edição deste ano abrange diversos tipos de simulação, desde as mais comuns (como as relacionadas a eficiência energética) até as ainda não tão exploradas, como é o caso das simulações de rotas de fuga em situações de incêndio.

Simulações computacionais: o que está em alta no mundo

Aqui, tivemos a oportunidade de acompanhar de perto vários temas diferentes. Mas, é possível destacar três deles, que apareceram com mais frequência no evento:

  1. Simulações computacionais em escala urbana, que são aquelas que buscam entender como as cidades e os edifícios dentro dela vão operar e, ainda, como as pessoas vão usar esses edifícios;
  2. Simulações cujo objetivo é olhar para o usuário do edifício, que são as simulações que focam no bem-estar e na saúde da pessoa que vai usar os edifícios;
  3. O uso de ferramentas computacionais avançadas para simulações, como Machine Learning e Redes Neurais. Essas ferramentas computacionais têm como objetivo tornar as simulações mais rápidas, mais abrangentes ou com maior potencial de projeção e aplicação.

Simulações: para ficarmos de olho

Além disso, de tudo que vimos esta semana, vale ressaltar 3 pontos marcantes, que podem ajudar os profissionais brasileiros a fazerem um melhor uso dessas ferramentas de simulação computacional. Vamos lá:

  1. A validação de simulações é muito importante, ou seja, é preciso que periodicamente o consultor vá a campo para medir o que simulou, para entender se as recomendações que estão sendo oferecidas de fato estão acontecendo. Se não estiverem, é necessário identificar o desvio e corrigi-lo;
  2. É preciso sempre tentar entender o contexto do problema que se quer analisar. Dentro desse tema, podemos destacar também a questão mercadológica, ou seja, não dá para ignorar o contexto financeiro no qual o problema está inserido. O profissional precisa olhar com muito carinho para entender se as soluções que ele vai projetar e as análises que vai fazer são viáveis;
  3. Por último, temos a questão da integração e da velocidade: as simulações computacionais têm que acontecer nos momentos certos para serem ferramentas, e não apenas verificações quando já não é mais possível mudar nada ou tomar as decisões corretas no projeto.

Para quem quiser saber mais sobre o evento, deixo aqui o link para o site da entidade. Vale a visita! http://www.ibpsa.org/building-simulation-2019-in-rome-italy/

 

*Vinicius Olmos Battistini é sócio responsável pela área de Simulações e Monitoramento do Ambiente Construído da Inovatech Engenharia.